ROI e métricas intangíveis em projetos de TI


O que é ROI?


O ROI é um termo muito utilizado no mundo dos negócios, é o acrônimo em inglês para Return on Investment, que em tradução livre significa Retorno sobre Investimento. O Conceito de ROI foi criado pela Gartner na década de 70 e com ele é possível saber a quantidade de dinheiro ganho ou perdido em determinado investimento utilizando a relação entre o total de retorno pelo total investido.



O retorno sobre investimentos na TI


O ROI tem se tornado cada vez mais relevante para os executivos de TI, pois com ele é possível avaliar a performance e a viabilidade de um projeto, em termos financeiros, e definir quais projetos irão gerar mais benefícios para o negócio principal da empresa. Entretanto, especialmente na área de sistemas, obter o ROI não é uma tarefa simples pois, além da análise das métricas tradicionais (licença de usuário, quantidade de armazenamento, IOPS, etc), as outras métricas não tangíveis também devem ser consideradas, como por exemplo conforto, praticidade e vantagem competitiva.


A aprovação de investimentos em projetos de TI baseados apenas em necessidades levantadas e solicitações internas não funcionam mais, ou pelo menos não deveriam funcionar, como ja falamos em outro post. Os projetos de TI devem entregar um valor real e um beneficio tangível, mesmo que por métricas e avaliações intangíveis.

Métricas intangíveis


Grande parte das métricas de TI que são intangíveis, causam impacto positivo no processo, porém não podem ser convertidas de forma simples e direta para valores financeiros. Neste caso, a solução mais comum é converter os pontos subjetivos em unidade de tempo e em seguida em valor financeiro, o que na maioria das vezes, resultam em quantidades subestimadas ou incompatíveis com o ganho perceptível. Devido a isto, o sucesso no ROI de TI depende da análise em conjunto do ROI com os benefícios qualitativos.


Na teoria, o ROI deve superar 100% para que compense a execução do projeto, porém, mesmo em projetos em que o ROI esteja abaixo de 100%, os indicadores não palpáveis devem ser fatores decisivos na avaliação.

Exemplo de métricas para o ROI na TI


Utilizando o próprio Aprovador como estudo de caso, possíveis métricas tangíveis para o cálculo do ROI seriam:

  • Quantidade de licenças de ERP economizadas uma vez que os gestores não precisam acessar o ERP apenas para efetuar aprovações;

  • Infra-estrutura de acesso remoto que não mais será utilizada para trabalho executado fora da empresa;

  • O tempo economizado dos executivos e gestores ao executarem análises e aprovações mais rapidamente.


Já as métricas intangíveis que podem ser convertidas em unidades de tempo (e em seguida valor/hora) seriam:

  • Possibilidade de dar continuidade em processo dentro de uma reunião sem interrupções;

  • Dar andamento em processos fora da empresa durante uma visita a um cliente ou em uma obra

  • Executar aprovações pelo telefone celular sem precisar de um computador ou acesso remoto

  • Centralizar os processos de todos os sistemas da empresa em um único canal com um único login.

E, por fim, as métricas intangíveis ou que não representam ganho significativo se convertidas em unidade de tempo seriam:

  • Ter sempre em mãos o poder de decidir imediatamente qualquer solicitação;

  • Segurança em estar fora da empresa e garantir a continuidade da operação;

  • Satisfação pessoal de utilizar uma solução prática e direta e não se preocupar com diversas telas e acessos.

Conclusão


Embora o ROI de TI seja complexo para ser levantado e calculado ele garante uma análise financeira rápida e mais precisa do retorno, faz com que o fornecedor assuma maior senso de risco e responsabilidade com a entrega e possibilita que a decisão seja balanceada principalmente por fatores não quantificáveis mas que afetam diretamente o sucesso e retorno do projeto.